>
A aprovação da Reforma Tributária na Câmara dos Deputados

A aprovação da Reforma Tributária na Câmara dos Deputados

Cenário sobre a votação da Reforma Tributária muda ao longo da semana e projeto é aprovado na Câmara dos Deputados. Texto seguirá para a deliberação no Senado Federal.

A reforma tributária é uma pauta discutida há décadas: com o intuito de simplificar a complexidade do sistema, diversos governantes tentaram modificar as regras sobre a cobrança de impostos no país ao longo dos anos, e não obtiveram sucesso - até a última sexta-feira (07 de julho). 

Em linhas gerais, a PEC 45/2019  prevê a substituição de cinco tributos existentes hoje no Brasil (PIS, Cofins e IPI – tributos federais; ICMS – estadual; e ISS – municipal) por dois impostos sobre o valor adicionado (IVA). Os novos impostos serão chamados de IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), que contempla o  ICMS e o ISS, e será administrado por estados e municípios, e CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços), que unifica o PIS, Cofins e IPI, sendo a União a responsável por sua gestão.

Veja em detalhes o que muda com a Reforma Tributária neste post.

O texto inicial elaborado pelo Relator Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) vinha enfrentando resistência por grande parte dos parlamentares, mas o clima sobre a votação do projeto mudou ao longo desta última semana:

Na terça-feira (04/07), governadores e prefeitos se reuniram com o relator Aguinaldo em Brasília para negociar alterações no projeto. A falta de clareza nas informações e exemplos práticos de como as novas regras irão funcionar foram as principais queixas do encontro. Aguinaldo Ribeiro avaliou o encontro como positivo e afirmou a possibilidade de mudanças no texto.

“Tivemos uma excelente reunião com os governadores do Sul e Sudeste. É possível convergir as demandas com as de outros governadores e municípios, para que tenhamos equilíbrio na governança, mas com uma arrecadação centralizada, que é o que preconizamos” - Deputado e Relator Aguinaldo Ribeiro

Já na quarta-feira (05/07), o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) e o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), se reuniram pela manhã, e demonstraram otimismo quanto ao projeto. Em entrevista após o encontro, Fernando Haddad disse que pretendem formular um projeto nacional, mas que atenda as especificidades de cada estado. Tarcísio de Freitas declarou apoio ao projeto, afirmando que o estado será um parceiro no debate pela aprovação da reforma tributária.

O governador Tarcísio de Freitas diz que sabe que a reforma tributária é extremamente importante para o Brasil: ‘’Eu diria que é a alavanca que está faltando agora, para a gente ter um impulso, os pontos nossos são fáceis de serem ajustados".

As negociações continuaram ao longo do dia, e à noite, o relator Aguinaldo Ribeiro fez a leitura do PARECER DE PLENÁRIO PELA COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 45-A, DE 2019

Durante a leitura de seu Parecer, Aguinaldo Ribeiro destacou a alteração referente à cobrança de 50% da alíquota geral para os produtos da cesta básica. O novo texto apresenta a isenção total.

“Nós estamos criando a cesta básica nacional de alimentos, e essa cesta básica tem alíquota zero. É o que estamos colocando no texto para que ninguém fique inventando alíquota e dizendo que a gente vai pesar a mão sobre o pobre. Não posso crer que tenha um parlamentar nesta Casa que pudesse votar contra os mais pobres” - Aguinaldo Ribeiro, Deputado e Relator da PEC 45/2019.

A manhã de quinta-feira (06/07) começou com um encontro entre Tarcísio de Freitas, o ex-presidente Jair Bolsonaro e correligionários do PL (Partido Liberal). A reunião teve o propósito de promover o diálogo entre Tarcísio e os deputados do PL, que estão sendo orientados a votarem contra à PEC, sob possibilidade de sanções partidárias caso não sigam as orientações da liderança.

Há relatos de que o discurso de Tarcísio gerou clima tenso na reunião, que resultou em pedidos de adiamento da votação. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) negou o adiamento e declarou que não havia possibilidade de adiar a votação pois avalia que o texto já está maduro para a pauta e para a deliberação. “Não há plausibilidade no pedido de adiamento. Porque quem está aventando essa possibilidade, eu não creio que irá votar a favor do tema nem agora, nem em agosto”, disse Lira à imprensa.

Ao longo do dia, as articulações vindas de diversas frentes geraram novas alterações no relatório de Aguinaldo Ribeiro. O novo texto atendeu a demandas do setor agro e do turismo, além de novos critérios para as deliberações do Conselho Federativo, órgão previsto na PEC que será responsável por arrecadar e distribuir os recursos entre estados e municípios. 

À noite, o presidente da Câmara, Arthur Lira, foi à tribuna para fazer um pronunciamento em defesa da reforma tributária. Essa foi a primeira vez desde que assumiu a presidência da Casa, há dois anos e meio, que ele saiu da cadeira para o púlpito. Lira rebateu às críticas de que estaria conduzindo o debate de forma acelerada:

“A pressa, o dito açodamento, e a necessidade de votarmos a reforma tributária não é nossa. A urgência de votar a reforma tributária é do Brasil.” - Arthur Lira, presidente da Câmara dos Deputados.

Em seguida, a Câmara aprova reforma em primeiro turno com 382 votos favoráveis, 118 votos contrários e 3 abstenções. Confira como votaram os deputados.

Já na madrugada de sexta-feira (07/07), por volta de 1h40 da manhã, a aprovação no segundo turno se confirmou com 375 votos favoráveis, 113 votos contrários e 3 abstenções. Confira como votaram os deputados no segundo turno.

A sessão foi retomada às 10h para a votação dos destaques (mudanças) ao texto e, após aprovada a Redação Final assinada pelo Relator, Dep. Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), a matéria vai ao Senado Federal.

Acompanhe o andamento da Reforma Tributária no Senado Federal. Acesse o Nomos e inicie o seu teste grátis!

autor

Layane Monteiro
Analista Política e Criadora de Conteúdo Nomos

Meet Other Mentors

Ver todas as publicações

Os impactos das medidas governamentais na indústria brasileira

Nova queda no Índice de Confiança da Indústria (ICI) no mês de outubro reflete pessimismo em relação aos próximos meses.

#PoliticasPublicas #RiscosRegulatorios #RelacoesGovernamentais #rig #relgov #governofederal #governobrasileiro #politica #economia #industria

Apostas Esportivas

Entenda o Projeto de Lei que regulamenta as apostas esportivas, conhecidas como Bets, e os cassinos online

#PoliticasPublicas #RiscosRegulatorios #RelacoesGovernamentais #rig #relgov #governofederal #governobrasileiro #politica #economia #legislacao #regulamentacao #InteligenciaArtificial #IA

SP: Água potável gratuita em bares e restaurantes é tema no STF

Lei estadual é suspensa no dia seguinte à publicação. Na capital, lei municipal similar foi revogada em 2022.

#PoliticasPublicas #RiscosRegulatorios #RelacoesGovernamentais #rig #relgov #governofederal #governobrasileiro #politica #economia #legislacao #regulamentacao

potencialize a gestão regulatória da sua empresa
Beforeyousine CTA decoration